PUBLICIDADE:

Vacina da Covid-19: especialista tira dúvidas sobre reações adversas

Professor do curso de Enfermagem do IESB, Dr. Walter Neto, esclarece mitos sobre os imunizantes



O Brasil atingiu nesta quarta-feira (7/7) a marca de 28,9 milhões de pessoas com vacinação completa contra a covid-19. Até o momento, 28.967.346 brasileiros receberam a segunda dose ou a dose única da Janssen, o que representa 13,7% da população do país. O número de pessoas que receberam pelo menos uma dose é 81 milhões, 38,4% da população. Os dados são do instituto Our World In Data, que apura o número de vacinados no mundo inteiro.


Atualmente, o Brasil conta com quatro tipos de vacina contra a covid-19. Três delas precisam de duas doses para completar o processo de imunização, conforme recomendado pelos laboratórios responsáveis pela produção da CoronaVac, Oxford/AstraZeneca e Pfizer/BioNTech. Já a fabricante da Janssen indica somente uma dose.


Mas apesar do avanço, muitas pessoas ainda têm medo dos efeitos colaterais das vacinas e, se não recebem a imunização, além de colocarem a sua vida em risco, acabam prejudicando ao desproteger todo o grupo. “Os sintomas que eventualmente podem surgir são respostas normais do sistema imunológico quando ele detecta algum agente que o estimule”, explica o biólogo Dr. Walter Neto, professor de Imunologia do curso de Enfermagem do Centro Universitário IESB.


Ele reforça que, quando tomamos qualquer medicamento ou vacina, devemos pesar sempre duas coisas: o risco e o benefício. “A vacina é uma conquista da humanidade. É civilizatória e não reconhecê-la é desejar a barbárie. Elas possuem um risco baixíssimo e um benefício imenso. Em relação a Covid-19, quem não vacina tem um risco enorme de ser contaminado, não importa os cuidados e o tipo de vida que a pessoa tenha. Há ainda chance de vários dias de dor, de ser hospitalizado, chance de ir pra UTI, ficar entubado e até morrer. Em contrapartida, ao vacinar, há apenas um pequeno risco de dor local ou algumas horas de febre baixa. Quando colocamos desta forma, percebemos que vacinar é a melhor decisão”, orienta o especialista.


Efeitos colaterais podem (ou não) ocorrer com qualquer vacina, seja AstraZeneca, CoronaVac, Pfizer ou Janssen. Muitas vezes, o que leva as pessoas ao temor da imunização são as informações distorcidas e até inventadas.


A seguir, o professor Dr. Walter Neto esclarece quatro mitos sobre os imunizantes para você se proteger também contra as notícias falsas.


Vacinas COVID-19 não são seguras porque foram fabricadas com muita rapidez

MITO. As vacinas realmente foram produzidas em velocidade nunca vista, mas também nunca tivemos uma ameaça para a qual estivéssemos prontos para reagir como com a Covid-19. Por exemplo, na última grande pandemia gripal, a gripe espanhola, não tínhamos tanto conhecimento e tecnologia quanto temos hoje. Além disso, todas as vacinas aprovadas no Brasil foram submetidas às mesmas fases de testes de vacinas anteriores.


Vacina com 50% de eficácia é igual a “cara ou coroa”

MITO. Na verdade, ainda que fosse cara ou coroa, pelo menos teríamos uma chance. Entretanto, a eficácia de 50% não deve ser entendida desta forma. A vacina não é um mecanismo de proteção individual. A eficácia deve ser medida com base na capacidade de evitar mortes pela doença e de conferir proteção coletiva. E, neste caso, todas as vacinas aprovadas no Brasil possuem altíssima taxa de sucesso.


Quem já teve Covid-19 não precisa ser vacinado

MITO. A vacina é indicada tanto para pessoas que tiveram, quanto para pessoas que não tiveram Covid-19. Há estudos recentes mostrando que pessoas que já tiveram o vírus passam a ter uma proteção muito maior após a vacina do que apenas com a exposição pretérita ao vírus.


Após tomar a vacina poderei abandonar as medidas de proteção

MITO. Mesmo após receber a segunda dose é preciso manter os cuidados essenciais, como distanciamento social e uso de máscara, pois a imunidade não começa logo após a segunda dose do imunizante, e devido ao fato de que não existe vacina 100% eficaz. A nossa proteção individual depende tanto da nossa imunização quanto da imunização de outras pessoas ao nosso redor.

PUBLICIDADE:

anuncio_la_salle_vertical_retangle.jpg
Banner Solino.png
Gif-01.gif
quadrado_quasar.png

PUBLICIDADE:

PUBLICIDADE: