PUBLICIDADE:

TJDFT e MPDFT reafirmam legalidade da regularização do Solar de Athenas


Com 17 votos a favor e nenhum contra, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) julgou procedente, na data de hoje (11/12), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), movida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), contra o Decreto Legislativo N° 2.189/18, que “desregularizou” o condomínio Solar de Athenas, no Grande Colorado.

Na abertura da seção de julgamento, a procuradora geral de Justiça do Distrito Federal, Fabiana Costa Oliveira Barreto, realizou sustentação oral sobre o embasamento do Ministério Público para a proposição da ADI. Segundo a procuradora, o Decreto Legislativo da CLDF “não só invadiu a competência privativa do chefe do poder Executivo, para legislar sobre o uso e ocupação do solo, mas também incorreu em evidente desvio de poder”.

A procuradora informou ainda que o projeto urbanístico do Solar de Athenas foi devidamente aprovado por ato do poder Executivo, com aval do próprio MPDF. “O projeto urbanístico foi acompanhado diretamente pelo Ministério Público, por meio da Promotoria da Ordem Urbanística. Essa Promotoria fiscalizou e acompanhou essa regulamentação, especialmente, com o cumprimento das condicionantes urbanísticas e ambientais que foram impostas, não só aos particulares, como ao Distrito Federal”.

Já a relatora do processo, desembargadora Carmelita Brasil, além de reafirmar os motivos elencados pelo Ministério Público, que configuram o “vício formal” do Decreto Legislativo, também destacou o seu “vício material” pela intromissão do poder Legislativo em questões relacionadas ao Judiciário. “Há evidente conflito de interesse envolvendo propriedade de terra. Esse fato deve ser apreciado pelo poder Judiciário, não cabendo ao poder Legislativo a função jurisdicional”, concluiu a relatora.

Para Ricardo Birmann, presidente da Urbanizadora Paranoazinho (UP), que é proprietária da área onde o condomínio está localizado, a decisão do TJDFT confirma o desejo da maioria dos moradores do Solar de Athenas e de toda a região da Fazenda Paranoazinho. “Essa decisão corrigiu uma injustiça cometida pela Câmara Legislativa que agiu de forma populista, atendendo a uma minoria de moradores, em detrimento da maioria que deseja a regularização e aguarda, há anos, a sua escritura”, enfatizou Ricardo.

PRÓXIMOS PASSOS DA REGULARIZAÇÃO

Para o futuro, apesar de o processo de registro do Solar de Athenas já estar em Cartório, há uma ação judicial de “Dúvida Registrária”, na qual a Urbanizadora venceu em primeira e segunda instâncias, que suspende a continuidade do processo.


“A mesma minoria que procurou os deputados distritais para a criação do Decreto Legislativo, que acaba de ser considerado inconstitucional pelo TJDFT, também é responsável pela ação de Dúvida Registrária que impede a legalização do condomínio”, conclui Ricardo.

A expectativa é que o processo seja julgado no Superior Tribunal de Justiça no início de 2019.

#SolardeAthenas #TJDFT #MPDFT #UrbanizadoraParanoazinho #regularizaçãofundiária #GrandeColorado

PUBLICIDADE:

PUBLICIDADE:

Caminito_300x300.jpg

Receba nossa newsletter

Jornal Nosso Bairro é um jornal da Editora Nosso Bairro

Siga o JNB:

  • Instagram JNB
  • Facebook JNB
  • Youtube JNB

Endereço

SCS, Quadra 7, Bloco A, 100

Edifício Torre Pátio Brasil

12º andar - Sala 1221

CEP 70307-902

Email:

Telefone: